Eurotrip 2014

As férias chegaram ao fim, acordamos cedo para fechar as malas e tomar o ultimo Irish Breakfast no mesmo café de sempre na Grafton St. Eu achei que nosso voo era ao meio dia mas na verdade era as 11h15.

Fomos até a parada do onibus que nos levaria ao aeroporto e acabou demorando bastante, a frequencia dele era a cada 15 minutos mas demorou mais que 30. Não tinha tanto problema pois estavamos com folga no tempo.

O aeroporto de Dublin é muito grande, tem mais de 300 portões e assim que chegamos já nos encaminhamos para o raio x. Dessa vez não tivemos problemas pois fomos preparados.

Nosso voo atrasou 30 min para sair e até Londres foram só mais 55 minutos. Dessa vez não tocou a musiquinha de pontualidade.

Descemos no aeroporto de Stansted e fomos direto para o nosso shuttle que já estava esperando, até o centro de Londres levou mais tempo que da Irlanda pra cá.

Descemos do onibus e logo pegamos um trem pra casa. Chegando lá a Mari tinha deixado de almoço pra nós um delicioso noodle de camarão. Começamos a fazer as malas que vieram cheias, acho que compramos muitas tralhas lá.

O Lê nos ajudou até a estação de Kings Cross e o resto foi facil com as dicas que ele deu. Na saída do elevar pesamos as nossas malas, deu 45kg pra cada só, até dava para levar mais alguns trecos.

Ao chegar no aeroporto fizemos o nosso checkin, despachanos as malas e a nossa ideia era ir no pub da wheterspoon mas tinhamos que fazer o tax free e isso apertou um pouco o tempo.

Nosso voo era para sair as 22h15 e acabou saindo as 23h, de repente perdemos a nossa conexão amanha.

O balanço dessa segunda Eurotrip foi boa, conhecemos quatro países novos mais a França que já tínhamos conhecido e 8 cidades ao total.

Conhecemos também culturas bem diferentes uma das outras e com certeza ficou muitas coisas para una segunda vez.

Melhor passeio: Wine tasting na Toscana, Itália.
Melhor hospedagem: Escócia.
Melhor comida: Carbonara na Itália.
Melhor pub: The Porterhouse, Dublin.
Melhor sorvete: il Masgalano, Siena, Itália.
Melhor cidade: Veneza
Melhor cafe da manha: Fauchon, Paris.
Melhor dia: Happy Hour no Chelsea, Londres.
Melhor festa: Dices, Dublin.

Goodbye London :(

Dormimos até o meio dia e por consequência perdemos o nosso Irish Coffee que é servido só até o meio dia, de qualquer forma, tomamos um cafezinho simples na rua e fomos passear.

Antes de tudo passamos na Pennys para comprar um presentinho que faltou e voltamos para deixar no hotel. Voltamos para a região do Temple Bar para fazer uma foto para a capa do nosso álbum, depois seguimos o rumo do Phoenix Park, que é o maior parque da Europa.

No caminho passamos no super para comprar algumas coisas para fazer um picnic. O tempo estava bem louco, as vezes tinha sol e calor, do nada fechada e chovia, muito vento, sol de novo, difícil a vida aqui.

Chegamos no parque e achamos um banquinho para fazer o nosso picnic, mal começamos e a chuva voltou, aí tivemos que procurar um lugar para se abrigar que por sorte achamos.

Com esse tempo maluco não arriscamos entrar parque adentro e acabamos voltando e não é que no caminho o céu fica azul e vem um sol forte? Mas enfim, já estávamos no meio do caminho e preferimos iniciar nossa despedida das férias.

Fomos ao Temple Bar e pedimos um Irish Coffee e um Baileys Coffee, não podíamos vir até aqui e não provar isso. Eram 18h e todos os pubs com musica ao vivo e cheios, ficamos um pouco e trocamos de pub.

Passamos antes no The Mezz mas a música só começa as 20h30, então fomos no que passamos ontem e esse estava tocando música Irlandesa. Ficamos por lá tomando umas Guinness e nos despedindo da Irlanda.

De lá fomos passando em vários pubs para ver o que tinha de bom, e no fim voltamos ao The Mezz, tomamos uma ultima guinness ouvindo o cara tocando e fomos embora.

Passeamos pelo rio para tirar umas fotos noturnas e aproveitar que não estava tão frio. Voltamos para o hotel e aproveitei para arrumar a mala.

Como ontem fomos dormir quase 2h da manha, hoje acordamos depois das 10h. Tínhamos muitas opções de café mas acabamos indo no mesmo de ontem e comendo a mesma coisa, somos muito tradicionalistas.

Pós café, fomos caminhando até a igreja St. Patrick que fica perto de casa, passeamos por lá mas não entramos, estamos um pouco cheio de igrejas. De lá fomos para a Jameson Distillery para eu fazer minha tour numa whiskeria.

Lá eles mostraram todos os processos para fazer o whisky deles desde a fermentação até o engarrafamento e claro, degustamos os whiskys deles, muito bom. O tour era relativamente rápido, depois tomamos um café no restaurante lá de dentro e comprei uma lembrança na gift shop.

De lá fomos caminhando em direção do Spire, monumento em formato de agulha que foi inaugurado em 2003 e é o monumento mais alto da Irlanda. Andamos nas ruas em volta do monumento, aproveitei para comprar os meus copinhos e também almoçamos pela volta.

Mais pro final da tarde passamos no hotel para pegar um bonus que tínhamos do Temple Bar e acabamos ficando um tempo por lá, a Grazi dormiu um pouquinho e eu fiquei na internet.

A janta de hoje foi na cada da Fabiola, que preparou uma massa recheada com espinafre e molho de tomate que estava uma delicia.

Como chegamos tarde, saímos tarde também, eram quase 23h30 quando fomos para um pub com musica ao vivo na região do temple bar e ficamos até acabar o show, saímos de lá e viemos para a Dices. Ficamos na dúvida se entraríamos ou não e no fim entramos.

A festa é muito grande, com vários ambientes e é num hotel, alias, varias delas são em hotéis e estava lotado de gente, sendo que a metade era brasileiro. A pint era muito barato alem de outro drinks também. A noite aqui é muito diferente e legal alem de ter gente de todo canto do mundo.

A pegação era geral porem no meu gosto tinha muito homem e eles chegavam em todas. Que nem as festas no Brasil tem os bêbados e aqui eles colocam para fora quando incomodam.

Ficamos até acabar pontualmente as 4h. Desligam o som (no meio da musica), ligam a luz e começam a convidar o pessoal a ir embora. Na rua rolou alguns stress dos bêbados mas foi muito divertido, fomos dormir as 5h30 da manha.

Hoje sim estamos bem descansados, dormimos quase 10h e acho que estamos prontos para conhecer Dublin.

Pegamos uma indicação de um café tradicional irlandês para já conhecer. Lá pegamos o Irish Breakfast, que vem praticamente as mesmas coisas que o Inglês e Escocês, com algumas pequenas modificações.

Apesar da chuva que começou não desanimamos e fomos conhecer a famosa Trinity University of Dublin, tem um campus enorme cheio de prédios e área de laser. Um clima bem descontraído para uma universidade.

Ao lado da Trinity tem uma parte de castelo e vikings, que nos recomendaram e aproveitamos para passear pela região. Estávamos bem próximo da destilaria Old Jameson e aproveitamos para passar lá e saber como funciona a visitação.

Combinamos com a Fabiola de nos encontrar no The Spire ao meio dia, esse monumento em formato de agulha fica bem no centro de Dublin e foi bem fácil de achar. Chegamos lá e ela já estava nos esperando.

Caminhamos pela redondeza que é cheio de lojas e fomos almoçar no Epicurean Food Hall, que parecia uma praça de alimentação de shopping, porem com vários tipos de comida diferente. Eu comi comida chinesa e as meninas japonesa.

Saímos e fomos caminhando em direção do porto, conhecemos a famosa ponte em formato de harpa, um prédio em formato de barril alem de outras construções diferentes.

Resolvemos ir até a praia e achamos que não era tão longe e foi quase uma hora pra chegar lá. Encontramos um lugar diferente, tinha alguns praticando kitesurf e outros brincando na agua que devia estar muito gelada, apesar de estarmos na primavera.

Voltamos para o centro conhecendo a região próximo a praia, que é bem menos turística. Alias, hoje estava tudo meio vazio e fechado pois era feriado aqui.

Chegamos na região do Temple bar e lá fomos no famoso pub The Temple Bar, um pub com quase 200 anos e é bem famoso aqui. Lá tomamos umas pints e ficamos conversando, o lugar é muito legal com uma decoração diferenciada.

Como faltava bastante tempo para o nosso outro compromisso, saímos e fomos até o St. Stephen’s Green Park para conhecer, é um parque bem grande e bonito, cheio de flores e bem cuidado e nessa hora estava um pouco vazio pois estava quase na hora de fechar.

Voltamos para a região do Temple Bar e fomos num outro pub, chamado The Porterhouse, que é da mesma rede que fomos em Londres onde tem um cardápio enorme de cervejas e lá ficamos um bom tempo.

Perto das dez da noite começou a tocar uma banda muito boa e o que tínhamos combinado de só ouvir a primeira música e ir embora acabamos ficando até fechar o pub. Conhecemos um amigo brasileiro da Fabiola alem de outros conhecidos dela.

Fomos para casa a pé, afinal era bem pertinho. Pelo caminho as outras baladas continuavam mas a gente não tinha mais pique para isso.

Acho que esse é o ultimo dia de acordar cedo, da próxima vez vou pagar um pouco mais para sair num horário melhor. Saímos do hotel as 6h10 e chegamos no aeroporto as 7h e como chegamos 20min antes do previsto fomos tomar nosso ultimo café na rede de pubs Wheterspoon, pedimos o large Scotland breakfast.

No raio x deu tudo certo desta vez, apesar de termos liquido nenhum passava de 100ml. O voo saiu pontualmente as 8h10 e até Dublin foram 45min, quase não deu para fazer o serviço de bordo.

Desembarcamos em Dublin e tivemos que pegar uma fila na imigração que alias, estava cheio de brasileiros. Pouco antes das 10h já estávamos dentro do ônibus que nos levou para o centro, aqui eles são ótimos, todos com internet.

Nosso hotel ficava uns 500m da parada do ônibus e fomos a pé até lá. Neste momento tinha um chuva fraquinha mas chata e o nosso quarto só liberava as 14h.

Decidimos então deixar as malas no hotel e ir na Fabrica da Guinness, fizemos nossa reserva pela internet e fomos caminhando até lá. Fizemos um caminho diferente e passamos antes no Hard Rock Cafe para comprar o meu copinho e depois fomos procurando um restaurante.

Não sei se é por ser domingo mas esta tudo fechado nessa cidade, inclusive muitos restaurantes, acabamos comendo num chinês que estava aberto. Fomos costeando o Rio Liffey até a rua da Guinness.

Valeu muito a pena ter comprado o ingresso antes, assim economizamos uma super fila. Lá dentro é muito legal, mostra todo o processo da fabricação da cerveja, mostra as propagandas no mundo, te ensinam a tirar um chopp na maquina dentre muitas outras atrações.

Ficamos a tarde toda lá, passeamos por todos os andares e bebemos uma Guinness no bar do ultimo andar, com vista para toda Dublin. Na saída comprei uma lembrancinha pra mim.

Nossa ideia para a volta era passear mais mas como estávamos muito cansados acabamos adiando para amanha. Encontramos um restaurante de carnes e paramos para comer, lá pedimos um mix de carne com massa e purê.

Acabamos perdendo o nosso hotel, mas depois de muitas caminhadas encontramos encontramos ele.

O nosso quarto é muito pequeno, quase não tem espaço para as nossas malas, mas no fim deu tudo certo, e o banho é ótimo.

Novamente tivemos que acordar de madrugada nas nossas férias mas dessa vez foi por causa do passeio que contratamos ontem. O roteiro era Lago Ness e as Highlands da Escócia. O passeio era durante o dia inteiro.

A parte boa é que o ônibus nos pegou no hotel, porem fomos os primeiros a embarcar. Levamos 1h até juntar todos e o ônibus veio lotado. A primeira parte da viagem vim dormindo, quando saímos da cidade acordei pois a paisagem era muito legal com varias montanhas e lagos.

Fizemos uma primeira parada para tomar café, neste momento estava praticamente morto de fome, pois saímos sem tomar café do hotel. Muito bem alimentados seguimos viagem.

Mesmo estando quase no verão ainda tinha muita neve nas montanhas porem poucas tem estação de esqui. Outra coisa que chama a atenção são diversas pessoas andando de bicicleta e fazendo hiking pelas montanhas.

Paramos para tirar algumas fotos num paradouro no caminho, na verdade achei outros pontos mais bonito que esse que paramos. Seguimos mais um pouco e paramos num pequeno vilarejo para almoçar, nós não comemos nada, pois estávamos estufados do café ainda então ficamos passeando pelas lojinhas.

Alguns quilômetros depois chegamos no famoso lago Ness, lá fizemos um passeio de barco bem sem graça, mas valeu por conhecer. A agua é totalmente preta mas não é suja, a explicação da cor é pela profundidade.

O lago Ness é muito grande, segundo o guia é o maior lago do Reino Unido e passamos apenas por uma parte dele. Depois começamos a voltar, com uma parada num castelo abandonado na beira do lago Ness chamado Urquhart Castle e na cidade de Pitlochry para fazer um lanche rápido.

Chegamos de volta em Edimburgo as 20h30 e como ainda estava claro fomos fazer uma foto na frente do Castelo de Edimburgo. Na volta passamos num cambio para trocar uns dinheiros e no ônibus que nos levara amanha para o aeroporto.

Pegamos um ônibus de volta para o hotel e como estávamos muito cansados fomos dormir direto, eu aproveitei enquanto a Grazi tomava banho para subir as fotos da Escócia.

O dia começou cedo por aqui, colocamos para despertar as 8h15 e pouco depois levantamos, nos arrumamos e fomos pra rua.

Tomamos café no pub da Wetherspoon que fomos ontem e pedimos o Full Scotland Breakfast e um só foi o suficiente para nós dois, alias, não sei como eles conseguem comer todas essas gordices no café da manha, tinha batata empanada frita, bacon frito, carne de hambúrguer frito, murcilha preta frita, ovo frito, feijão doce, tomate assado e torradas.

Para economizar tempo, pegamos um ônibus pro centro e lá passamos no centro de informações ao turista, lá tinha opções de pacotes. Compramos um para amanha e vamos conhecer o famoso lago Ness e as Highlands escocesas.

De lá fomos para o Castelo de Edimburgo, pelo caminho passamos em algumas lojinhas de souvenirs e pelos famosos escoceses tocando gaita de fole vestindo o kilt (saia).

Essa hora tinha uma fila para comprar ingresso e dessa vez não tive muito desconto para entrar mas igual tive algum beneficio.

O castelo foi bastante modificado, transformaram algumas partes em museus e comercio. Conhecemos alguns deles, um tinha as jóias da coroa originais. Caminhamos por tudo mas estava com una expectativa maior.

Saímos de lá e fomos caminhando pelas lojas da Princess St, la achamos o Hard Rock Cafe e a Primark, que paramos para fazer umas comprinhas.

Almoçamos num outro restaurante da rede do Wheterspoon e provamos um hambúrguer com molho de whisky, bem bom e também tomamos umas pints.

Voltamos a nossa caminhada, passamos por toda Royal Mile até chegarmos no castelo de verão da rainha. Ao lado tinha uma trilha que subia uma montanha e acabamos seguindo por ela até o topo, de lá conseguimos ver toda a cidade.

Voltamos por outra rua, e fomos de volta para o centro, lá pegamos um ônibus para perto de casa. Acabamos descendo um pouco antes para passar no nosso pub. Ao lado tinha um supermercado Tesco, e antes de chegar passamos lá para comprar algumas coisas.

Já no pub pedimos umas pints para nós. Ainda estávamos cheios de comida ainda, então só bebemos. O lugar é muito legal e tem um cardápio grande de bebidas e comidas.

De lá voltamos para o hotel pois tínhamos que acordar cedo para o passeio de amanha.

Nossa ultima manha em Londres começou cedo, acordamos antes das 9h e nos preparamos para sair, precisávamos imprimir os bilhetes de embarque e a Grazi queria comprar algumas coisas que faltaram.

Enquanto eu imprimia os cartões, aproveitei para reservar uma van para nos levar até o nosso aeroporto.

Chegamos em casa com pouco tempo, arrumamos as malas rapidamente e logo saímos. Pegamos um ônibus até a estação de Kings Cross e depois um metro até a Baker Station, nossa sorte é que os metros voltaram a funcionar hoje de manha, estava programado para retornar a noite.

Foi um pouco difícil achar a parada das vans mas pedi uma ajuda que me informou o lugar correto. Acabamos saindo uns minutinhos antes e isso nos deu mais tranquilidade no aeroporto.

Levou mais de uma hora para chegar no aeroporto de Stansted, não pensei que era tão longe, se bem que para o outro aeroporto fomos de trem, que é bem mais rápido.

Conseguimos fazer um lanche antes do embarque pois a fome estava grande já. Fomos para o raio x que era outro pente fino e desta vez perdi o liquido da minha lente, que pena.

Chegamos com 20 min de folga na fila do embarque mas o avião atrasou para chegar e para decolar. Ainda tive um pequeno problema com o numero de volumes, estava com uma mala e uma mochila e a mulher não deixou eu embarcar mas coloquei a mochila dentro da mala e tudo se resolveu.

Até Edimburgo foi apenas 1h15, demoramos mais para ir até o aeroporto do que chegar na Escócia. Na hora de aterrizar deu para ter uma noção do que venta aqui.

No aeroporto pegamos um ônibus que nos deixou no centro da cidade e até o nosso hotel tinha ainda 2km que resolvemos ir a pé e assim já fazíamos um passeio.

A primeira vista pareceu muito legal essa cidade, principalmente porque a cerveja é barata (metade do preço) alem da arquitetura dos prédios, muito legal. Passamos pela frente do Castelo de Edimburgo e com certeza voltaremos.

Nosso hotel não é muito bem localizado porem é excelente, grande, limpo, bonito, staff simpático, banheiro bom, excelente custo beneficio.

Só deixamos as malas e fomos jantar num pub da rede Whaterspoon que encontramos perto do nosso hotel, hoje era a noite do curry, então pedimos dois pratos muito picantes porem muito bons acompanhado de uma pint e vinho.

Apesar de estar cedo resolvemos ir direto para o hotel para nos recolhermos mais cedo para aproveitar melhor o dia amanha.

Já estávamos com saudades de Londres e mesmo com a greve nos metros até amanha não abalou nosso passeio de hoje. Nossa ideia era ter saído cedo, mas não conseguimos e próximo das 11h saímos de casa. A Grazi foi para a Oxford St e eu fui na Le Cordon Bleu comprar uma dolma nova já que depois que emagreci a outra ficou muito grande em mim.

A escola fica ao lado do British Museum e é cheio de escolas pela volta. Depois fui caminhando para encontrar a Grazi na Primark. Acabamos comendo algo antes para depois ir as compras.

Essa parte é muito chata, no fim levamos o dia todo comprando coisas que podíamos estar passeando mas faz parte. Com a greve estava bem movimentado o transito e os ônibus todos lotados.

Chegamos em casa as 19:30 e ligo saímos para jantar. A comemoração do meu aniversário foi no restaurante do Jamie Oliver na Covent Garden. Eu pedi uma carne com presunto cru que estava uma delicia e a Grazi pediu uma massa com frutos do mar.

Depois da janta fomos num pub ali perto onde tinha uma carta de cervejas muito grande, tomamos umas diferentes por lá, o pub também era enorme e todo decorado com garrafas de cerveja.

Na saída dele passamos noutro pub, o mesmo que fomos as outras vezes mas só tomamos mais uma pint já que estava tarde.

Para voltar para a casa estava difícil, o nosso ônibus vinha sempre lotado e não parava.

Chegamos em casa e ficamos vendo algumas coisas no computador e depois fomos dormir.

Nosso ultimo dia em Paris, que chato. Tínhamos colocado para despertar as 8h mas só levantamos as 9h. Fizemos as malas e fomos tomar café da manha no mcdonalds ao lado do hotel que era mais rápido e pratico, alias, tem um cardápio de café da manha ótimo.

Nosso primeiro destino foi a Gare du Nord para deixar nossas malas num locker para não precisar carregar, assim ficaria mais fácil passear hoje.

De lá pegamos um metro para conhecer as Catacumbas de Paris, um lugar que não conseguimos ir da outra vez. Uma parte interessante foi ao entrar na estação caímos numa fiscalização de tickets, o negocio funciona aqui.

Lá nas Catacumbas pegamos uma fila de duas hora mas nada melhor que chegar na bilheteria e descobrir que eu e um acompanhante não precisávamos pagar ingresso não tem preço, até o passeio ficou mais interessante. Agora fico pensando em quantos lugares que eu fui pagando e que não precisaria pagar, damn it.

Lá entro é um percurso de 2km de túneis que te levam a um enorme ossário que dizem ter mais de 5 a 6 milhões de pessoas. Ao total são 400km de túneis mas só uma pequena parte era aberto ao público.

Depois de subir todos os 300 degraus que descemos saímos de volta na rua. Aproveitamos para passar na lojinha de souvenir das Catacumbas.

Acabamos almoçando num bistro ali perto, e para relembrar a Itália pedimos uma massa a carbonara tão boa quanto as de lá.

Voltamos para o metro e fomos novamente na ponte dos cadeados com a missão de encontrar o nosso cadeado. Apesar de estar chovendo e ter deixado o guarda chuva dentro da mala no locker fomos procurar igual. Com a ajuda de algumas fotos facilmente achamos o nosso cadeado, pena que a escrita tinha apagado com a chuva mas igual valeu, ainda estava lá.

Fomos caminhando até a Grand Epiacere de Paris, que ficava uns dois quilômetros de lá mas como era nossas ultimas horas em Paris valeu a pena.

A loja estava bem diferente, me pareceu menor mas igual tinha muita coisa boa, e dessa vez estava cheio de pequenos restaurantes. Passeamos por tudo e fiz umas comprinhas também. Lá tem uma adega enorme, pena que não tem como levar tudo.

Estava perto da hora de ir embora então resolvemos ir para um pub perto da Gare du Nord assim não teríamos risco de acontecer algo. Lá pedimos uma tábua de queijos e salames ótima, pena que era muita coisa e não conseguimos comer tudo e para beber, pedi minha tradicional pint.

Próximo da hora do nosso embarque fomos retirar nossas malas no locker e logo subimos para o embarque. Apesar de estar indo de trem tem toda a burocracia do avião, raio x, imigração, etc.

Apesar de chegar no tempo recomendado, não sobrou muito tempo e muito pontualmente as 21:13 o trem começou a andar. Como estava noite já não dava para ver muita coisa, só que era muito rápido. A parte triste é que não tinha internet no TGV, na Itália qualquer trenzinho tinha.

A viagem foi super rápida, conseguimos ir acompanhando pelo GPS até a entrada do Euro Túnel, depois o sinal caiu e uns 20min depois já estávamos do outro lado. E em pouco mais de meia hora já estávamos em Londres.

Ao chegar em Londres nos avisaram que o metro estava de greve mas não tinha problema pois estávamos perto de casa e fomos de ônibus mesmo. Chegamos em casa e colocamos os assuntos em dia.

O legal de ter voltado a Paris é reconhecer boa parte dos lugares e ter a oportunidade de fazer de novo alguns passeios legais. Também fomos em diversos lugares que não tínhamos ido e ainda sobrou para uma próxima viagem.