Archives

All posts for the month setembro, 2009

Acordamos as 4h da manha pois o boco aqui colocou o horário errado  para acordar, ajustei o horário e voltei a dormir, claro que o sono  não foi o mesmo, pois estava preocupado em não acordar mas logo já nos  ligaram da recepção e levantamos.

Como era muito cedo, não tínhamos café da manha no hotel juntamos as  malas e fomos para o aeroporto. La fizemos o check in com uma fila  quilométrica e o pior de tudo foi que descobrimos que cada mala tem  custo de 20 dólares para transporte mais o excesso de bagagem deixamos  110 dólares ali no check in.

Passando essa enorme fila, fomos para a próxima, da policia federal  chile. Mais uns 15 minutos aguardando.. Tudo certo fomos para a sala  de embarque e eu sem querer esqueci de despachar o meu canivete de  novo, mas joguei junto com um monte de porcarias e passou despercebido.

Entramos no avião e tivemos que esperar mais tempo ainda pois parece  que alguém fez o checkin errado e despachou as malas para o nosso  avião e ia para outro destino. Apos a espera nos liberaram para a  decolagem.

Eu ate tinha uma boa impressão da pluna, mas o serviço de bordo é  todo cobrado e nem aceita moedas.

Chegamos em montevidéu e alguns voos já estavam atrasados, o nosso  tinha tempo ainda então aproveitamos para fazer umas comprinhas no  free shop. Rio branco e chuy são mais baratos que os freeshops de  aeroporto. O freeshop estava com uma degustação de uma smirnoff black  servindo caipirinha, aproveitei para tomar dois, ja que tudo era dose  dupla.

Seguimos para o voo com destino final porto alegre e ao fim de mais  uma temporada de ferias, essa teve um diferencial que foi o nosso  noivado.

Melhor Happy: Sushi no Pateo Bellavista

Melhor Janta: Janta Volcano

Melhor Cassino: Viñas Del Mar

Melhor Dia de esqui: ultimo

Melhor Lugar: Santiago

Melhor Hotel: Gran hotel

Melhor Café: Gran hotel

Melhor Dia: dia 7

Melhor Drink: Grazi – Pina Colada, Tiago – Mojito

Nosso ultimo dia de viagem, pois a partir de hoje começa nossa jornada  de retorno. Acordamos um pouco tarde de novo mas ainda a tempo de  tomar café e como nem tínhamos desarrumado as malas estava quase pronto.

Antes de fechar o hotel, fomos ate o artesanato para comprar uns  recuerdos de Viñas Del Mar. Todos vendem as mesmas porcarias.. Depois  voltamos para o hotel, colocamos as malas no carro e fomos ao  shopping, a Grazi queria comprar umas roupas que viu ontem e como  estava tarde não conseguiu comprar. Aproveitamos também para almoçar  antes de pegar a estrada e o almoço foi o tradicional McDonald.

Pegamos a Ruta 68 com a ajuda do nosso GPS em direção a Casablanca e  Algorrobo, estamos indo para San Afonso del Mar, fomos conhecer a  maior piscina do mundo segundo o Guinness Book. A cidade não fica muito  longe de vinas e Santiago, em torno de 100 km e as estradas aqui no  Chile são bem boas.

Chegando em San Afonso del Mar descobrimos que esse lugar é um  condomínio residencial e não um hotel, logo dificultou nossa visita. A  nossa sorte é que tinha alguns lotes a venda e portanto tinha um  corretor que gentilmente nos deixou olhar de longe e tirar algumas  fotos. Tentamos ver se ele nos levava la em baixo mas não conseguimos.

Saindo de la, andamos um pouco e estacionamos o carro perto da praia e  fomos fazer uma tentativa pela praia. Não deu pra ver muita coisa, tem  um muro que divide a praia do condomínio mas conseguimos tirar mais  algumas fotos. Caminhamos um pouco pela beira do mar, alias o mar é  muito forte aqui mas a água parece bem limpinha.

Pegamos nosso carro e seguimos nossa viagem para Santiago. Dali tinha  mais 100 km ate o nosso hotel. Chegando em Santiago estava na hora do  rush, então demorou um pouco até chegar no hotel.

Deixamos as malas no quarto e logo fomos direto para a estação Santa  Lucia, la tem uma feira bem grande de artesanato, precisava comprar  mais algumas lembranças do Chile. Essa era o ultimo compromisso antes  do retorno, com isso fomos fazer nosso happy hour no Pateo Bellavista,  onde fomos na outra vez antes de Chillan. O lugar é muito bom e tem  dose dupla de tragos, tomamos 2 mojitos e 2 pina coladas e comemos  comida japonesa. Estava bem bom tirando só a parte que não aceitavam  cartão de credito e não tínhamos dinheiro nem o cartão do banco, assim  tivemos que ir até o hotel, pegar o cartão do banco, sacar dinheiro e  voltar lá. Fizemos de carro, pois achávamos que era mais rápido mas  não contávamos que iríamos nos perder bastante. Nossa sorte foi que o  GPS estava no porta luvas e nos levou de volta para o hotel.

Chegamos e ainda fomos arrumar as malas, pois iríamos sair muitooo  cedo amanha. Foi difícil fazer caber tudo dentro das malas, sem contar  o peso de cada uma. Colocamos o despertador e fomos dormir.

Acordamos perto das 10h, aproveitei para tomar banho e fomos tomar café, que pela primeira vez foi na medida (sem ovos mexidos com bacon). Saímos a pé em direção a orla para conhecer. Na verdade aqui na frente não tem praia, só pedras. Tiramos algumas fotos na frente do cassino (que iremos conhecer a noite) e caminhamos até o relógio de flores, que é um ponto turístico daqui. Tiramos mais fotos e seguimos caminhando.

Paramos em algumas lojinhas, telefonamos e retornamos para o hotel deixar as coisas e pegar uma indicação de restaurante. O cara que cuida do hotel nos indicou um restaurante aqui no lado, mas chegando no restaurante vimos um de comida chinesa e japonesa, acabamos indo pra lá. Pedimos alguns pratos e estava tudo ótimo.

Depois do almoço fomos conhecer os Museus. O primeiro foi o Museu Fonck, que é de História Natural e Insetos. É bem legal, tem vários animais empalhados, insetos, alem de muita historia sobre o descobrimento no chile. Depois desse museu conhecemos a biblioteca municipal e a casa do colonizador de Vinas del Mar. Ele construiu um castelo enorme, que ocupa uma quadra inteira e é do ano de 1910. Tinha muitos moveis ainda e dava para ter uma noção de como era a quase 100 anos atrás.

Saindo do museu, aproveitamos para tomar um café, a ideia era ir na Starbucks mas estava completamente lotada, então fomos num a beira bar. Não tinha muita gente mas os atendentes estavam bem atrapalhados. Tomamos um café e comemos um doce e voltamos para o hotel pegar a chave do carro, íamos conhecer o shopping de Vinas.

O shopping é muito grande, também, com uma população dessas.. Passeamos um pouco, a Grazi fez umas compras e achamos uma pista de patinação no gelo, que dúvida não fomos brincar um pouco. Esquiar é muito mais fácil que andar em cima daquele patins. Meus pés estavam doendo muito, alem de não ter muita habilidade com aquilo.

Saímos da pista de patinação e retornamos para o shopping, conhecemos mais umas lojas e uma coisa muito estranha por aqui.. as lojas fecham pontualmente as 21h, isso quer dizer se tem alguém sendo atendido não será mais. Pegamos umas roupas para experimentar e a mulher disse que não podia mais, pois já fechou. No Brasil o vendedor seria demitido na hora.

Tristes de não poder comprar, viemos em direção do hotel para deixar o carro, mas antes nos perdemos diversas vezes. Conseguindo chegar no hotel, estacionamos e fomos para orla, íamos jantar num restaurante mexicano que vimos ontem. A comida estava boa, comemos uns tacos e tomamos uns tragos. Depois da janta fomos conhecer o cassino por dentro. Não é uma Las Vegas mas é beeem grande. Jogamos 7 mil pesos no bingo e não ganhamos nada.. ah se minha mãe estivesse aqui..

De lá retornamos para o hotel, já eram quase 1h da manhã e temos que acordar cedo para pegar a estrada em direção a San Afonso del Mar.

Hoje não acordamos tão cedo como deveríamos, mas estamos muito cansados ainda. Tomamos o café perto das 10h e ficamos no hotel até perto do meio dia, resolvendo uns problemas e parte nos amarrando. Arrumamos as malas e descemos para fazer o checkout, vamos buscar o carro e depois pegar as malas.

Achamos um ônibus que nos leva para o aeroporto, o caminho é relativamente rápido até lá. Chegando começamos a pesquisar as empresas de aluguel de carro, estávamos procurando uma que não tivéssemos problema, no fim escolhemos a Avis com um Polo automático e GPS. O carro é excelente, pena que o GPS não funciona direito.

Voltamos para o hotel para buscar as malas e seguimos em direção a Ruta 68, no caminho paramos para abastecer e eis que acontece algo estranho, não aceitou nenhum cartão nosso, tivemos que pagar em dinheiro (e gastando quase todo o dinheiro). Ainda para ajudar, antes de sair do posto, um carabineiro me parou e me encheu o saco porque não poderia dirigir o carro sem autorização, sem discutir muito passei o carro pra Grazi.

Seguimos viagem já de tanque cheio e carteira vazia pela ruta 68, que é uma estrada muito boa. O caminho é curto, menos de 100 km. Na estrada não tinha muito movimento, deve ser que seja pela segunda feira. Fomos direto conhecer Valparaíso, que pelos sites não tinha muitos pontos turísticos. Andamos pela cidade para conhecer, paramos em alguns pontos para tirar fotos e num desses lugares conhecemos um guia turístico que nos indicou um restaurante para gente almoçar e um hotel para ficar em viñas del mar.

Andamos mais um pouco pela cidade, conhecemos uma das casas de Pablo Neruda (que estava fechada) e logo fomos almoçar, já era quase 16h e estávamos morrendo de fome. O restaurante sugerido era o Marco Polo, em frente a praça Itália, realmente foi uma boa sugestão do guia. Comemos cada um um pratão de comida, com um filé com batatas que não conseguimos comer nem a metade de tão grande que era.

Andamos mais um pouco por Valparaíso mas já estava escurecendo, então seguimos o caminho para Vinas del Mar. a cidade fica a ne 10 km de Valparaíso, e como tínhamos uma indicação de hotel colocamos o endereço no nosso GPS que nos trouxe direto para o lugar. O hotel era bem bonitinho e suuuper barato, então nem pensamos duas vezes.

Deixamos as malas e fomos caminhar pela cidade. A cidade é muito legal, cheio de barzinhos e gente. Aqui e em Valparaíso tem 1 milhão de habitantes, é muita gente. Caminhamos pelas ruas principais para ver o movimento e aproveitamos para tomar uns drinks num restaurante mexicano. As coisas aqui não são muito baratos, mas é tudo bem servidor. Não estendemos muito a noite, pois estávamos cansados e amanhã temos muitos lugares para visitar.

Coloquei o despertador errado e me acordei as 8h30. Fiquei me amarrando na cama até 15 para 10 que me levantei e fui tomar café que alias, tinha desistido mas voltei atrás.

O café do hotel é mais simples do de Chillan, mas também é muito bom. Comi um sanduíche quente de queijo e presunto e trouxe um café para Grazi que nem se levantou. Estamos ainda muito cansados e acabamos ficando no hotel até quase meio dia.

Perguntamos na portaria o que tem para fazer hoje em Santiago, a recepcionista nos sugeriu uma feirinha que tem lá em Las Condes e acabamos topando a sugestão. Pegamos o metro até a ultima parada e fomos o resto a pé. Era bem longe, não tínhamos noção da distancia, mas como já tínhamos andado bastante, íamos até o final. Paramos no caminho para almoçar e descansar, o almoço foi super light, um hambúrguer da Burger King com coca e batata frita 😐

Seguimos nosso caminho em direção a tal feira que depois de muito caminhar chegamos. A feira era bem grande, mas era quase tudo artesanato, coisa que tem em todos lugares. Nessa feira tinha vários animais para vender, uns bem bonitinhos. Tiramos fotos por lá e resolvemos voltar para passear no centro, não sabíamos se tinha algo para conhecer.

Pegamos um ônibus e descobrimos que precisava ter um cartão, e que não aceitava dinheiro. O motorista que viu que éramos turistas nem nos cobrou e seguimos a viagem de volta.. No caminho vimos uma praça bem legal e acabamos descendo ali. Era a praça do Aviador, tinha um chafariz enorme e uma obra de arte e forma de avião. Saímos de lá e pegamos o metro de volta para casa. Descemos duas paradas depois para caminhar pelo centro mas não estávamos com muito saco para isso e fomos direto para o hotel.

Chegamos e acabamos dormindo até as 19h, estava bem bom o soninho, desde que entramos em férias não descansamos nenhum dia. Levantamos e saímos para jantar, fomos no mesmo bairro de ontem pois tinha diversos restaurantes por lá. Fomos de metro até a estação El Golf e o resto fomos caminhando, não era longe. Olhamos alguns restaurante e acabamos escolhendo o Piola, uma pizzaria, e estava muito bom também e conseguimos nos controlar e comer vem pouco.

Pegamos um metro de volta e antes das 22h já estávamos no hotel. De noite já estava bem frio na rua. Enquanto a Grazi estava no computador, tomei banho e fiquei deitado vendo TV, depois vim para o computador escrever o diário e publicar algumas fotos. Amanha vamos alugar um carro e conhecer o litoral do Chile.

Acordamos as 7h30 para terminar de arrumar tudo. Tomamos o ultimo café do hotel e logo nossa van chegou. Paguei o hotel, juntamos nossos esquis e embarcamos íamos almoçar pelo caminho numa vinícola.

O caminho era de bastante curvas, por isso os filhos da Fabrícia enjoaram um pouco, mas fizemos algumas paradas e deu tudo certo. O caminho é bonito, tem muitas vinícolas pelo caminho e estava com o tempo bom. A descida até o pé da montanha tem 80 km, nem parece que é tão longe.

Perto das 13h chegamos na Casa Silva, uma vinícola famosa aqui no Chile. Conhecemos as instalações e sentamos para o almoço. Eu pedi uma carne com polenta e legumes e a Grazi uma carne com arroz e champinhons, estava uma delicia.

Na saída tiramos umas fotos e seguimos a viagem, já estávamos a 150 km de Santiago. No caminho fizemos mais uma parada e aproveitamos para comprar um doce, já que não tínhamos comido no restaurante.

Chegando em Santiago, ficamos por primeiro no hotel e já combinamos de jantar logo mais com o pessoal que estava por aqui. Subimos, nos instalamos de novo no mesmo quarto de antes e aproveitamos para descansar um pouco. O Raul estava no mesmo andar que a gente.

Lá pelas 20h45 pegamos um táxi e ficamos de nos encontrar no hotel da Fabrícia, em Las Condes. Chegando lá, fomos a pé procurar um restaurante, tinha vários na volta do hotel deles. Escolhemos um que estava bem cheio, tivemos que ficar no bar aguardando um mesa. O lugar era bem legal, se chamava Tiramisu e era uma pizzaria e café. Eu tomei uns Mojitos e a Grazi uns Kir Royal, no fim o pessoal gostaram do Mojito e todos tomaram. A comida minha era bem tradicional, pizza de 4 queijos que não estava o bixo, já comi melhores, A Grazi pediu um carpaccio de salmão que disse estar muito bom. Como as crianças estavam juntos, não ficamos muito tempo pelo restaurante e logo apos terminar a janta fomos embora.

Deixamos a Fabrícia e o Mano no hotel e pegamos um táxi para casa, no meio do caminho, pedimos para o taxista nos levar para uma rua badalada. Voltamos para Las Condes e nos deixou numa rua cheio de pubs e casas noturnas. Entramos numa, tomamos mais uns mojitos e logo saímos, o Raul tem o voo dele amanha as 5h da manhã e a gente estava cansado da viagem.

Nosso ultimo dia de esqui :(

Não acordamos muito cedo para aproveitar o ultimo dia, é que estávamos muito cansado da semana toda, esquiei todos os dias e no final o véio já não estava aguentando muito. Tomamos café perto das 10h, comi tudo que tinha para variar e depois fomos nos arrumar.

Chegamos na montanha quase as 11h e fomos direto para o topo, íamos descer uma preta que tem lá em cima, mas chegando lá, mudamos de ideia. O dia nem tinha começado e já estava cansado. Descemos pelo Valle del Sol e fomos direto para o 2.2 junto com o pessoal, era hora do almoço já.

Almoçamos com a galera, comemos um espetinho de gato e tomamos umas coca-colas e logo saímos, hoje ia ser o primeiro fora de pista da Grazi. Voltamos para o topo da montanha e saímos pela placa da pista fechada. A neve estava muito boa e a Grazi se saiu muito bem, eu que caí um tombão de moscão, mas fui bem melhor que ontem.. que quase morri de cansado na volta.

O passeio foi longo, descemos varias montanhas e fizemos alguns filmes para o DVD da viagem, tiramos fotos e aproveitamos a paisagem. Já no final a minha perna começou a sentir de novo, mas já estávamos bem perto da pista. Ao chegar nela, paramos para descansar e fazer um boneco de neve. Nosso boneco era bem gordinho.. :)

Após descansarmos, descemos e fomos direto para o hotel, estávamos exaustos mas felizes de ter conseguido esquiar no fora de pista. No hotel, tomamos uns chocolates quentes e nos arrumamos para aproveitar a piscina.

A piscina do hotel era ótima, água bem quentinha e uma área externa com uma temperatura melhor. Estávamos todos lá fazendo a despedida da temporada de esqui. Hoje o pessoal começa ir embora, os primeiros são o Marcelo e a Mimi, que pegam o ônibus nessa madrugada, amanha vai todo o resto.

Nos reunimos no bar do hotel para trocar as fotos e tomar uns tragos de despedida antes da janta. Como o Marcelo e a Mimi tem que sair cedo, fomos jantar perto das 20h30 no restaurante do hotel mesmo, a comida estava boa como sempre e as entradas melhor ainda. Bebemos vinhos e conversamos bastante, estava bem divertida a janta.

Ficamos até tarde no restaurante, no final chegou o casal de Recife, onde bebemos mais um vinho e trocamos cartões. Na saída passamos na lojinha do hotel para comprar uma lembrança para a casa e subimos para arrumar as malas.

Juntamos nossas coisas, e deixamos tudo pronto para amanha, nossa van vem nos buscar as 9h.

Acordamos muito cedo para quem esta de férias, mas era por uma boa causa, vamos nos encontrar as 10h lá no alto da montanha para fazer o cat esqui. Tomamos café rapidinho e subimos para nos arrumar. Perto das 9h já estávamos pronto no primeiro meio de elevação, são 4 até o topo da montanha.

Estava um pouco frio essa hora da manhã, e quanto mais alto mais frio é. Chegamos no alto as 10h e a maquina de afofar a neve que ia nos levar para o alto do vulcão já estava nos aguardando. A subida é relativamente rápida, em torno de 20 minutos e durante o caminho as subidas são fortes.

Ficamos na boca do vulcão de Chillan, tiramos bastante fotos e fizemos alguns filmes para o DVD dessa viagem. Lá em cima era bem difícil caminhar, pois estávamos com as botas de esqui e o terreno era bem irregular, cheio de pedras e gelo. Esse vulcão que vimos entra em erupção a cada 20 anos e a ultima vez foi em 1983, logo pode entrar em atividade a qualquer momento. De lá a vista é fantástica, da para ver até as montanhas na argentina.

Para sair de lá só tinha duas opções, ou descia esquiando ou dentro da maquina, eu e a Grazi preferimos não arriscar e viemos dentro da patrola. O pessoal todo veio esquiando e depois disseram que não era tão difícil o caminho, mas eu já estava muito cansado. Fiquei aguardando o pessoal na parte de baixo, mas eles vieram por outro caminho e nos encontramos no bar da montanha depois.

Almoçamos por lá mesmo, eu nem comi, pois estava sem fome.. tomei uma coca e um pisco sour. A minha descida foi pelas pistas mesmo e o resto foi fazer um fora de pista. Como já estava muito cansado, fui direto para o bar para descansar e esperar um pouco por ali. Depois disso voltei para o hotel e descansei um pouco.

As 18h fomos todos para a piscina, onde nos encontramos todos os dias depois do esqui, a água é muito relaxante e aproveitamos para tomar uns tragos.

Depois dos dedos ficarem murchos, voltei para o quarto, tomei banho e me preparei para a janta, que hoje será um jantar diferente, no salão principal do hotel. O lugar estava todo arrumado e nossa mesa já estava pronta. A comida não me agradou muito, pois era quase tudo frutos do mar, mas tinha um bife com batata para mim.

A janta estava bem divertida, tinha um mágico fantástico que fez algumas mágicas impressionantes para nós. Na hora da sobremesa, os garçons fizeram uma apresentação especial. A sobremesa era uma mistura de frutas, sorvete e chantilly e era servida pegando fogo. após a janta, uma banda animou a noite.

Antes de ir embora, ainda passamos no cassino para dar uma olhada, mas como estávamos cansados do dia de esqui, fomos dormir.

Não estamos conseguindo acordar muito cedo, esquiar o dia todo nos deixa muito cansado.. Fomos para o café quase as 10h da manhã, encontramos o Bruce, Marcelo e Mimi.. Comemos muito para variar e depois fomos pro quarto terminar de se arrumar. Hoje coloquei mais roupas para aguentar o frio. Em cima da montanha estava 0 grau.

A Grazi acabou subindo na frente, pois estava secando um pouco as minhas botas.. Encontrei a Grazi no meio do caminho e fomos lá para o alto da montanha. Descemos pela Volcano que é uma parte vermelha e outra azul. A descida foi bem tranquila, pois eu estava bem descansado. Aproveitamos para passar num barzinho lá em cima e pagar os 500 pesos que ficamos devendo.

Depois descemos até o bar para aguardar o pessoal para o almoço. Comemos uma hamburguesa e descansamos um pouco. O pessoal ia fazer de novo um fora de pista, e eu tinha prometido não ir de novo, pois fiquei muitoo cansado ontem mas acabei aceitando. Fomos para o outro lado da montanha, e estavam uma galera junto.. a neve por lá estava melhor que a de ontem, estava bem fofinha..

O passeio pelas montanhas estava muito legal, realmente, não era muito difícil. No meio do caminho aconteceram alguns acidentes com o pessoal do grupo, a Paula foi saltar um banco de neve e acabou capotando e batendo a cabeça na neve, mas parece que não machucou. Não tive muitas dificuldades, apenas no final que já estava bem cansado e quase morri para descer da montanha. Fui indo e parando, mas as pernas não aguentavam mais, fui obrigado a fazer uma parada para tirar as botas e descansar. Feito isso, segui a descida.. essa montanha nos deixou na base de volta, então peguei o lift para ir no bar ver se a Grazi não estava por lá. Essa hora os meios de elevação já estavam fechando e acabei retornando para o hotel.

O pessoal estava fazendo um happy na parte de fora do hotel e eu parei para tomar um chocolate quente com o pessoal, estava bem divertido. Depois da li o pessoal foi todo para a piscina, e hoje a água estava muitooo quente. Fizemos alguns vídeos da galera fazendo um snow angel na neve. Ficamos até as 19h na piscina, depois nos recolhemos, pois a janta era cedo. As 21h tinha jogo do Chile e Brasil.

Hoje a janta era comida Italiana, tinha um monte de massas e estava tudo muito bom, a Grazi praticamente só comeu as entradas.. tinha salmão cru que ela gosta. Eu comi muitas massas para varias.

Apos a janta, fomos assistir o jogo do Brasil no bar do hotel, estava cheio de Chilenos.. Olhamos o primeiro tempo e estava empatado o jogo. Vimos o segundo tempo no quarto, mas lá em baixo não devia estar muito divertido para os chilenos. Acho que amanhã acaba a amizade dos chilenos com os brasileiros.

Fui fazer o diário e dormi perto da meia noite, amanha temos que acordar cedo, pois vamos fazer cat esqui.